E lá fomos nós à procura da Biblioteca Joanina, em honra e memória do Rei D. João V, prontos a revisitar o século XVIII, tempo do barroco, da talha dourada, da ornamentação exagerada, do luxo e da ostentação visível os frescos do tetos das três salas e na madeira exótica das mesas que pudemos visualizar.

Gostámos, sobretudo de saber de saber que uma colónia de morcegos protegem os livros dos insetos bibliófagos. 

Visitámos a Sala dos Capelos - Sala do Trono do Paço Real -  onde, outrora decorreram as Cortes de Coimbra de 1383, para aclamar D. João, Mestre de Avis e, onde, atualmente, Doutores das várias áreas do saber defendem as suas teses de doutoramento, ou são acolhidas figuras públicas em ocasiões solenes.

Sobre a Universidade, recuámos ao tempo do primeiro Estudo Geral, de D. Dinis, o monarca que olhou para a cultura e para o saber com olhos de futurista.

Também no Museu da Ciência, localizado no antigo Laboratório Químico, pudemos visitar a exposição permanente " Segredos da Luz e da Matéria" e participámos numa atividade experimental -  atelier orientado por um monitor que muito nos entusiasmou.

Foi ainda sublime, neste espaço,  a encenação da viagem de Vasco da Gama à Índia e o almoço no Jardim Botânico, onde árvores centenárias aguçaram o nosso olhar.

Grande dia, ah!!!